Novo livro da Marina Barbieri – Amarela

Lembram que falei sobre um livro da Marina Barbieri por aqui? Assim que acabei de ler o “Fique com alguém que não tenha dúvidas“, já fiquei ansiosa pelo segundo livro e essa hora finalmente está cada vez mais próxima. Mas para isso acontecer ela precisa da nossa ajuda!

O próximo livro se chamará Amarela e é um compilado de poesias diretas, numa linguagem clara e acessível que aborda temas como amor, paixão, desilusão, rejeição, dor, feminilidade e resiliência. Algumas são belas, leves e acolhedoras, enquanto outras incomodam e machucam.

O livro contará também com as incríveis ilustrações de Lucas Werneck e com um prefácio de tirar o fôlego escrito por Rafael Gonçalves.

COMO AJUDAR?

O livro só acontecerá se a meta de R$ 30.000,00 for atingida no projeto de financiamento coletivo.

A campanha ficará ativa no site Kickante durante 60 dias recebendo o apoio de todos que acreditam no trabalho dela e querem ver esse livro virando realidade.

Para apoiar é muito fácil:

  1. Entre em: https://www.kickante.com.br/campanhas/novo-livro-marina-barbieri-amarela
  2. Escolha o valor da sua contribuição
  3. Selecione a forma de pagamento, boleto ou cartão de crédito (parcele em até 6x com parcela mínima de R$ 25).

Kickante é seguro e é um dos maiores sites de financiamento coletivo do mundo. Pode confiar!

 

 

 

Feliz Dia das Mães!

sininhu sylvia santini dia das mães blog got sin sandra camargo santini

Feliz Dia das Mães!

Não sou como aquela Musa
Movida ao seu verso pelo adorno
Que o próprio céu usa como ornamento
E o belo com seu alento se insinua
Par a par, comparando-se, orgulhoso
Ao sol e à lua, às ricas joias da terra e do mar
Com as primeiras flores de abril, e tudo o que é raro
Que os céus abarcam sob a abóbada imensa
Ah, deixa-me ser fiel ao amor e à escrita
E então, creia, meu amor é tão puro
Como de uma criança, embora menos luzidio
Que as fixas flamas douradas no manto celestial
Deixa que digam mais do que tão bem ouvem
Não louvarei senão o que eu puder defender.

Soneto 21 – William Shakespeare