Meninos vestem azul e meninas vestem rosa? Desde quando?

Hoje viralizou um vídeo onde nossa ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos fala que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa” nessa nova era do governo. Mas será que as pessoas realmente sabem a origem da simbologia de cores ligados ao sexo? Por que meninos usam azul e meninas usam rosa? É para isso que a história da moda existe e irei explicar de maneira didática e simples.

Segundo o livro “The Story of Colour: An Exploration of the Hidden Messages of the Spectrum” do Gavin Evans, onde ele fala sobre a cultura das cores, entre o final do século XIX e início do século XX as mães costumavam ouvir que se elas queriam que seus filhos crescessem másculos, era necessário vestí-los de cores masculinas, como o rosa e se quisessem que as meninas crescessem bem femininas, teriam que vestí-las de azul. Sim, ao contrário mesmo! A origem disso vem da Europa, onde a cor azul era associada com o feminino por conta do manto da Virgem Maria, uma cor serena que transmitia calma e ternura. Já o rosa era uma versão para os meninos da masculina cor vermelha, que era uma cor quente, viríl, representava lutas e guerras e também a cor do manto de Jesus Cristo.

Gradualmente isso foi mudando pela metade do século XX, mais precisamente no pós-guerra, pela década de 1950, onde havia fortes propagandas criadas pelas agências de publicidade que induziam as pessoas a aceitarem o rosa como uma cor exclusivamente feminina, o que fez com que a mudança fosse aceita muito rapidamente.

Vale constar também que antes de tudo isso, todos os bebês usavam roupas brancas, pois era muito mais fácil de limpar e não desbotavam com o uso de produtos de limpeza fortes que serviam para tirar manchas, além de poderem ser repassados para todos os filhos da família. O detalhe é que na época do branco, independente de gênero, todas as crianças usavam vestidos por serem mais práticos também. Os meninos começavam a usar calças apenas depois do primeiro corte de cabelo ou ainda mais adiante.

Assistam o vídeo abaixo para uma versão bem completinha e resumida sobre o assunto (é em inglês, mas basta ativar as legendas com tradução automática):

 

Sei que a intenção da ministra não foi uma mera trivialidade sobre moda, também não há nada de ingênuo em uma afirmação colérica assim, apenas expõe a homofobia que permeia a mente de milhões de brasileiros. Estamos em 2019, já vivemos quase 2 décadas de um novo século, mas as palavras e pensamentos que imperam no Brasil nos últimos tempos parecem advindas de outrora, de tempos sombrios. Nossa Idade Média já chegou e as piras estão sendo preparadas para arder em chamas quem eles julgarem como bruxas.

Desejaria começar o ano otimista, mas está difícil, a ignorância se fortalece a cada dia. Os preconceituosos haviam sido marginalizados mas agora lutam para voltar ao topo e tentam resgatar a única forma de sentirem um gostinho de superioridade depois de se constatarem inferiorizados com o avanço da igualdade social que as minorias estavam conquistando. As pequenas bolhas do WhatsApp e Facebook são os novos “guetos” modernos. Um grito que foi ouvido pelos evangélicos, que estão sempre prontos para socorrer coitadinhos (desde que passem pela triagem de “cidadão de bem”, é claro). Os que faziam vítimas agora viraram as próprias vítimas e buscam suas salvações em um milagre divino chamado… vocês sabem quem.

Busquem conhecimento, pois só isso é capaz de nos salvar dessa lavagem cerebral.

Aproveito para deixar aqui alguns links que complementam o assunto:

Anúncios

O aparelho Nima (detector de glúten) funciona mesmo?

Muito se falou do aparelho Nima, um detector portátil de glúten, que promete ajudar a vida dos celíacos a descobrir se os alimentos realmente são seguros para consumo – sem glúten e sem contaminação cruzada de glúten. Porém, infelizmente, depois de muitos testes, especialistas e consumidores chegaram à conclusão de que seus resultados não são precisos e podem ser falsos.

Segundo Tricia Thompson (fundadora do Gluten Free Watchdog, nutricionista e estudante de medicina), o aparelho Nima foi testado por ela e diversos outros membros da comunidade em diversos alimentos com e sem glúten, fazendo com que chegassem à conclusão de que o aparelho foi lançado no mercado prematuramente. Todos os alimentos também foram testados em laboratório pelo método padrão R5 ELISA, comprovando sua divergência. Dado o estado atual de desenvolvimento deste sensor, o GFW não apoia seu uso para celíacos no momento.

Alguns problemas constatados no Nima:

Resultado Falso Positivo

+ informações: clique aqui

Cinco produtos sem glúten tiveram como resultado “low gluten” (baixo nível de glúten), sendo que eram certificados pela GFCO.

 

  • O aparelho NIMA testou abaixo do limite de 1 parte por milhão.
  • Estes resultados são falsos positivos, o que significa que não há glúten na amostra, e este dispositivo tem um limite de detecção extremamente baixo, próximo de zero.
  • Isso induz os consumidores ao erro.

Baixa reatividade à Cevada

+ informações: clique aqui

Grãos de cevada e farinha de cevada também obtiveram resultado “low gluten” (baixo nível de glúten).

  • O anticorpo usado nesse aparelho tem baixa reatividade cruzada para a cevada.
  • Como todos sabem, cevada contém glúten naturalmente, então o resultado deveria ser “high gluten” (alto nível de glúten).
  • É uma falsa comprovação de segurança muito grande para um celíaco.

Não detectA contaminação por migalhas

+ informações: clique aqui

O aparelho deu como resultado um sorriso (sinal de que o alimento é livre de glúten) para o cereal matinal Cheerios de um lote que sofreu recall por conter glúten, aveia comum da Quaker e biscoitos de arroz que haviam sido depositados sobre migalhas de pão de trigo.

  • A metodologia de amostragem para este dispositivo (isto é, testar uma amostra não homogeneizada do tamanho de uma ervilha) não é suficiente para encontrar glúten em amostras quando o glúten não for distribuído uniformemente.
  • Resultado falso negativo é um alerta para a segurança dos celíacos.

Amostras diluídas interferem o resultado

+ informações: clique aqui

Diluir com água uma mostarda que contém farinha de trigo na composição (como é recomendo no site da Nima para alimentos com cores intensas ou brilhantes) mudou o resultado do teste de “high gluten” (alto nível de glúten) para “low gluten” (baixo nível de glúten).

  • A amostra diluída na água diminui o nível de glúten (parte por milhão) na detectação.
  • Diminuir a eficácia na detectação = diminuir a segurança

O site também testou outras 50 amostras. Todos os produtos que obtiveram resultado “low gluten” foram enviados para um laboratório para serem testados usando o método padrão-ouro, R5 ELISA. Lá, obtiveram resultados abaixo do limite de detectação de 1 ppm de glúten, atestando a segurança dos alimentos e comprovando a confusão do aparelho.

Na minha opinião, fico feliz de não ter gasto 280 dólares em um aparelho que não é tão eficaz assim. Inclusive no próprio site da Nima tem uma lista de alimentos que afetam sua eficácia. De palpites já bastam o nosso “achômetro” e bom senso, né? Infelizmente ainda vamos continuar à mercê da contaminação cruzada por glúten até conseguirmos educar o mundo e os ‘não celíacos’ de uma maneira mais adequada.

Alguém aí já testou esse aparelho? O que achou?

Para acompanhar todas as publicações referentes a esse assunto, clique aqui.