O aparelho Nima (detector de glúten) funciona mesmo?

Muito se falou do aparelho Nima, um detector portátil de glúten, que promete ajudar a vida dos celíacos a descobrir se os alimentos realmente são seguros para consumo – sem glúten e sem contaminação cruzada de glúten. Porém, infelizmente, depois de muitos testes, especialistas e consumidores chegaram à conclusão de que seus resultados não são precisos e podem ser falsos.

Segundo Tricia Thompson (fundadora do Gluten Free Watchdog, nutricionista e estudante de medicina), o aparelho Nima foi testado por ela e diversos outros membros da comunidade em diversos alimentos com e sem glúten, fazendo com que chegassem à conclusão de que o aparelho foi lançado no mercado prematuramente. Todos os alimentos também foram testados em laboratório pelo método padrão R5 ELISA, comprovando sua divergência. Dado o estado atual de desenvolvimento deste sensor, o GFW não apoia seu uso para celíacos no momento.

Alguns problemas constatados no Nima:

Resultado Falso Positivo

+ informações: clique aqui

Cinco produtos sem glúten tiveram como resultado “low gluten” (baixo nível de glúten), sendo que eram certificados pela GFCO.

 

  • O aparelho NIMA testou abaixo do limite de 1 parte por milhão.
  • Estes resultados são falsos positivos, o que significa que não há glúten na amostra, e este dispositivo tem um limite de detecção extremamente baixo, próximo de zero.
  • Isso induz os consumidores ao erro.

Baixa reatividade à Cevada

+ informações: clique aqui

Grãos de cevada e farinha de cevada também obtiveram resultado “low gluten” (baixo nível de glúten).

  • O anticorpo usado nesse aparelho tem baixa reatividade cruzada para a cevada.
  • Como todos sabem, cevada contém glúten naturalmente, então o resultado deveria ser “high gluten” (alto nível de glúten).
  • É uma falsa comprovação de segurança muito grande para um celíaco.

Não detectA contaminação por migalhas

+ informações: clique aqui

O aparelho deu como resultado um sorriso (sinal de que o alimento é livre de glúten) para o cereal matinal Cheerios de um lote que sofreu recall por conter glúten, aveia comum da Quaker e biscoitos de arroz que haviam sido depositados sobre migalhas de pão de trigo.

  • A metodologia de amostragem para este dispositivo (isto é, testar uma amostra não homogeneizada do tamanho de uma ervilha) não é suficiente para encontrar glúten em amostras quando o glúten não for distribuído uniformemente.
  • Resultado falso negativo é um alerta para a segurança dos celíacos.

Amostras diluídas interferem o resultado

+ informações: clique aqui

Diluir com água uma mostarda que contém farinha de trigo na composição (como é recomendo no site da Nima para alimentos com cores intensas ou brilhantes) mudou o resultado do teste de “high gluten” (alto nível de glúten) para “low gluten” (baixo nível de glúten).

  • A amostra diluída na água diminui o nível de glúten (parte por milhão) na detectação.
  • Diminuir a eficácia na detectação = diminuir a segurança

O site também testou outras 50 amostras. Todos os produtos que obtiveram resultado “low gluten” foram enviados para um laboratório para serem testados usando o método padrão-ouro, R5 ELISA. Lá, obtiveram resultados abaixo do limite de detectação de 1 ppm de glúten, atestando a segurança dos alimentos e comprovando a confusão do aparelho.

Na minha opinião, fico feliz de não ter gasto 280 dólares em um aparelho que não é tão eficaz assim. Inclusive no próprio site da Nima tem uma lista de alimentos que afetam sua eficácia. De palpites já bastam o nosso “achômetro” e bom senso, né? Infelizmente ainda vamos continuar à mercê da contaminação cruzada por glúten até conseguirmos educar o mundo e os ‘não celíacos’ de uma maneira mais adequada.

Alguém aí já testou esse aparelho? O que achou?

Para acompanhar todas as publicações referentes a esse assunto, clique aqui.

Novidades sobre Doença Celíaca na DDW

.
Resumo e tradução do que foi discutido no vídeo ao vivo de perguntas e respostas com o Dr. Peter HR Green no painel da DDW:

Sobre Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca

  • A sensibilidade ao glúten foi muito discutida na DDW desse ano, chegando ao consenso científico de que ela não existe em pacientes não celíacos. Em indivíduos saudáveis o que pode acontecer é uma sensibilidade ao trigo e não ao glúten em si. A metade das proteínas do trigo não são glúten e esses outros componentes são mais prováveis de causar reação de hipersensibilidade.
    .

O que se vê para o futuro em relação à Doença Celíaca?

  • Mais pessoas sendo diagnosticadas, diagnósticos mais rápidos, barateamento de produtos sem glúten.
  • Também estão buscando conhecimento de quão restritas precisam ser as dietas sem glúten de cada celíaco. Querem descobrir qual a quantidade de glúten cada organismo tolera e se é variável. Por enquanto, o recomendado é seguir restrição extrema, com produtos que tenham no máximo 20ppm de glúten.
  • A biópsia continua sendo necessária, já que os exames de sangue não são extremamente precisos e cada laboratório possui um padrão diferente. O que foi amplamente discutido, mais uma vez, foram os critérios de classificação de Marsh e o peso conjunto dela com os marcadores sanguíneos.
  • A maioria das pesquisas científicas sobre Doença Celíaca está saindo dos EUA agora, ultrapassando a liderança dos países europeus, como a Itália – que sempre foi destaque em relação a isso.
    .

Há novos medicamentos para a doença celíaca?

  • Há diversos laboratórios divulgando possíveis novos medicamentos para a cura da Doença Celíaca ou então enzimas que poderão quebrar o glúten, fazendo com que o celíaco consiga voltar a se alimentar normalmente. Mas o Dr. Green diz que tudo isso é apenas puro marketing enganoso e que não há nada concreto até agora, pois nenhum desses medicamentos funcionou. Porém, a esperança e as pesquisas continuam, mas é algo muito caro, lento e precisa ser perfeito para não colocar a saúde das pessoas em risco e conseguir a aprovação do FDA. O foco inicial que os cientistas buscam é libertar os celíacos da necessidade de uma dieta de restrição ao glúten. Quem sabe algum dia, né?
    .

O que causa a Doença Celíaca?

  • Já foi comprovado que infecções virais, principalmente as causadas pelo rotavírus, podem servir de gatilho para que um organismo predisposto desenvolva a DC. Também há evidências de que vírus comuns podem levar a isso, principalmente na infância.
  • Antibiótico também tem um grande fator de risco. Porém, ainda é incerto, já que não se sabe se ele foi receitado para tratar um sintoma que estava despontando por consequência da DC ou se ele causou isso depois do tratamento.
  • A maioria das pessoas que desenvolve Doença Celíaca costumava fazer tratamento com Omeprazol ou outros inibidores da bomba de prótons (IBP). Esse tipo de medicação é receitada descontroladamente por todos os médicos e aumenta consideravelmente o risco de desenvolver DC.
  • Para desenvolver a DC você precisa dos seguintes fatores: predisposição genética (40% da população), estar comendo glúten (99% da população), mas somente 1-2% a desenvolve. Então os cientistas estão muito interessados em descobrir quais são os gatilhos que levam apenas essa pequena parcela a ficar doente.
    .

Sobre a microbiota intestinal e Probióticos

  • Qual o papel do microbiota intestinal no desenvolvimento e manutenção da Doença Celíaca? A flora intestinal é muito importante para o organismo, pois ela é responsável pelo treinamento do nosso sistema imunológico, principalmente para quando comermos alguma coisa não termos uma reação imunológica. Também é muito importante em várias outras funções, incluindo a produção de enzimas que facilitam a digestão de determinados alimentos. Apesar de investigarem há muito tempo qual a relação dela com a DC, os cientistas ainda não chegaram a uma conclusão específica.
  • Ainda não se sabe se pessoas com DC possuem um microbiota diferente das pessoas normais.
  • Como modificar e melhorar a nossa microbiota? Mudamos as nossas bactérias boas conforme mudamos a nossa dieta. Pessoas com uma dieta muito restritiva onde diversos alimentos são eliminados, com certeza terão a flora intestinal diminuída, por consequência, não serão tão saudáveis.
  • Não há evidência científica de que tomar probióticos ajuda a microbiota de uma pessoa com doença celíaca. O Dr. Green não recomenda, já que nos EUA (então imagina aqui no Brasil) vendiam inúmeros probióticos ditos livres de glúten, quando na verdade estavam cheios de glúten. Porém, probióticos seguros auxiliam outros problemas da flora intestinal, mesmo não curando a DC.
  • As bactérias boas realmente podem ajudar o organismo, mas ainda não há como médicos e cientistas indicarem quais exatamente devem ser ingeridas, portanto a melhor maneira de manter um organismo saudável é mantendo uma dieta variada e repleta de nutrientes.
    .

É necessário tomar suplemento alimentar?

  • A dieta sem glúten não é uma dieta muito saudável por conta de sua enorme restrição. O trigo é fortificado com ácido fólico desde a década de 50 para ajudar a prevenir defeitos de nascimento, já as farinhas sem glúten (como a de arroz, por exemplo) não são fortificadas. O certo seria medir todas as vitaminas e nutrientes do sangue para saber se há o déficit de alguma coisa e necessidade de suplementação, para isso é indicado consultar um médico nutrólogo. Se a pessoa tem uma dieta variada e bem nutritiva, não há necessidade de suplementação, pois tudo pode ser consertado com a ingestão de alimentos em quantidades certas.
    .

O que precisamos saber sobre contaminação cruzada?

  • A preocupação com contaminação cruzada por glúten é muito desgastante para os celíacos. Por não ter um controle específico sobre isso, muitas pessoas se tornam hiper vigilantes (eu!) e isso acaba interferindo a qualidade de vida delas. Quanto mais uma pessoa sabe sobre causas e consequências, pior é a sensação de bem-estar, pois entendem que não vivem em um mundo seguro. (Posso atestar que é verdade!)
  • Sobre contaminação cruzada e o quanto devemos estar atentos a isso: celíacos precisam evitar rigorosamente o glúten, mas ainda não está claro para a sociedade tudo o que causa a contaminação cruzada. Muitos celíacos ficam doentes por outros motivo e já acham que foram contaminados, isso nem sempre é verdade. Nós ainda não sabemos quanto glúten um indivíduo tolera, então achamos melhor exigir que todos os pacientes continuem fazendo uma restrição extrema do glúten.
  • Enquanto alguns celíacos se preocupam demais com a contaminação cruzada, outros estão ingerindo glúten sem saber, por isso é importante que a pessoa tenha um acompanhamento médico e realize os exames sanguíneos com frequência. A biópsia também precisa ser refeita depois de um tempo seguindo a dieta sem glúten, para ver se está tudo certo e a DC regrediu. Principalmente em pessoas que costumam comer fora de casa.
  • Se os exames de sangue derem positivo, então você está se contaminando com glúten. Se derem negativo, fica difícil saber se sim ou não, já que nem todo corpo reage com anticorpos à quantidades pequenas de glúten. Mesmo assim, todo cuidado é necessário.
    .

A dieta sem glúten é mais saudável?

  • Há evidências de um aumento de metais pesados em pessoas que seguem a dieta sem glúten, tais como arsênico e mercúrio, por conta do aumento de consumo do arroz (ele absorve esses metais do solo). Os níveis não chegam à faixa tóxica, mas são maiores do que os vistos em pessoas comuns. Isso é mais preocupante em crianças.
  • Os pesquisadores fizeram um questionário e descobriram que milhares de pessoas que evitam o glúten também evitam outros alimentos, não acreditam em fatos científicos, não acreditam no FDA, evitam transgênicos e/ou são veganos. Então isso tende a complicar a vida desse tipo de pessoa, levando à complicações psicológicas.
  • A dieta sem glúten deve ser seguida apenas por celíacos.

 


gluten-free-doença-celíaca
Maio é o mês de Conscientização da Doença Celíaca, por isso farei uma série de posts sobre o assunto, com bastante dicas para os celíacos e muitas informações para aqueles que nunca ouviram falar dessa doença, facilitando o nosso convívio. Para acompanhar todas as publicações referentes a esse assunto, clique aqui.