Desfile da Gucci – as cabeças cortadas, o manifesto ciborgue e nossa construção social milimétrica

Desfile da Gucci – as cabeças cortadas, o manifesto ciborgue e nossa construção social milimétrica

A Milão Fashion Week ainda nem terminou e eu já quero eleger o desfile da Gucci como o melhor da temporada!

Alessandro Michele está de parabéns pelo conceito genial e trabalho artístico utilizado. Uma sala cirúrgica como passarela, cabeças humanas como acessório, terceiro olho, bebê dragão, cobra, camaleão e uma volta ao mundo em uma versão ciborgue! Continue lendo “Desfile da Gucci – as cabeças cortadas, o manifesto ciborgue e nossa construção social milimétrica”

Anúncios

Versace – American Crime Story

Versace – American Crime Story

Hoje estreia uma das séries que estou mais ansiosa para assistir, American Crime Story: Assassination of Gianni Versace. Serão 9 episódios contando a trágica história do assassinato de um dos maiores estilistas de todos os tempos, Gianni Versace.

Continue lendo “Versace – American Crime Story”

Victoria’s Secret Fashion Show 2017

Hoje aconteceu mais um Victoria’s Secret Fashion Show! O desfile foi em Xangai, na China, e várias beldades brasileiras marcaram presença nas passarelas, como Adriana Lima, Alessandra Ambrósio e a estrela da vez: Laís Ribeiro, que foi a escolhida para usar o tão sonhado Fantasy Bra (o sutiã de diamantes de 2 milhões de dólares!).

O desfile vai ao ar no dia 28 de novembro – com apresentações do Harry Styles, Jane Zhang, Miguel e Leslie Odom Jr -, mas já podemos conferir uma prévia pelas fotos. Coloquei alguns dos meus looks favoritos na página do blog lá no Facebook:

Você quer beleza? ❤Os melhores looks do desfile de Xangai. #vsshow2017

Posted by Got Sin? on Monday, November 20, 2017

Eu amei principalmente a parte Punk e a das Deusas Gregas!
Me contem o que acharam do desfile desse ano.

O que está acontecendo com a Balenciaga?

Como fiel espectadora de desfiles de moda, fico muito triste quando um designer novo chega e deturpa todo o legado de uma grife importante. Aconteceu isso com a Dior em 2012, quando o Raf Simons assumiu o cargo de diretor criativo e aniquilou o estilo “lady like”, que era a alma da marca. Agora estamos vendo a mesma coisa acontecer com a Balenciaga, graças ao Demna Gvasalia.

Tá certo que a Balenciaga não segue muito o estilo clássico já há alguns bons anos, mas a criatividade das peças sempre teve um conceito misturado com o ponto de vista focado no comercial. Tanto que o Nicolas Ghesquière, estilista responsável por essa renovada e popularização da marca, saiu de lá em 2012, após 15 anos de dedicação falando exatamente sobre como a direção o impedia de usar sua liberdade criativa:

“Durante os últimos dois ou três anos foi uma frustração atrás da outra. Foi essa falta de cultura que me incomodou no final. As peças mais fortes que fazíamos para a passarela eram ignoradas pelas pessoas dos negócios. Eles esqueciam que para termos aquela “biker jacket” super-vendável precisávamos começar por uma peça de passarela com uma técnica perfeita. Comecei a ficar infeliz quando percebi que não existia estima, interesse ou reconhecimento pela pesquisa que eu fazia; eles só se interessavam pelo que seria o resultado mercadológico. Tornei-me o Sr. Merchandiser”, diz.

Hoje, Ghesquière ocupa o cargo na Louis Vuitton e continua encantando com a sua criatividade altamente mercadológica e comercial. Em compensação, a Balenciaga viveu uma troca de estilistas meio infeliz. Primeiro contrataram o Alexander Wang, que é excelente, mas a parceria durou apenas 3 anos. Logo, a marca precisou substituí-lo com urgência, e é aí que perderam a mão ao contratarem o estilista alemão, Demna Gvasalia (do coletivo Vetements). Veias artistas bem distintas e conflitantes.

No ponto de vista comercial, ele até deu umas bolas dentro e conseguiu lançar moda de certas peças que vemos sendo copiadas ad. infinitum por aí. É o caso das correntes gigantescas nos óculos – $495 – e das botas otk ‘Knife’ super exageradas que caíram no gosto das fashionistas.

Aliás, essa bota de R$8.500 segue o mesmo padrão daquela que eu fiz para minha fantasia de Halloween no ano passado. Se quiserem, ensino como fazer igual gastando apenas uns R$30 de material! Lancei tendência com a minha versão prata, até a Balenciaga me copiou agora na coleção de verão 2018 (risos):

No meu ver, isso foi mera sorte do estilista por conseguir se aproveitar do status que a marca proporciona por si só. Ou vocês acham que essa bota e essa corrente teria recebido alguma notoriedade se fossem lançadas por algum estilista não muito famoso? Ou então se custassem $5 inicialmente? Pois é. Essa história de “desejar o inalcançável” todo mundo já está careca de saber que acontece desde sempre, né.

Mas o pior é exatamente isso. Parece que o estilista pirou ao saber que poderia lançar qualquer coisa horrorosa com uma etiqueta que todo mundo desejaria enlouquecidamente. Foi o caso de copiar a bolsa de compras da Ikea (rede de loja de móveis baratos) que custa apenas $0,99 (você leu certo, MENOS DE 1 DÓLAR!) e fazer uma idêntica da Balenciaga custando $2.145!

A internet ficou chocada com essa história e logo a viralizou como PIADA.

Isso pq poucos conhecem as SACOLAS DE FEIRA do Brasil e da América Latina, que também foram utilizadas como inspiração pela marca, que vendeu modelos idênticos por $1300!

Você quer ser sacoleira de luxo?

Já que o assunto é sacolas. Que tal uma shopping bag pela bagatela de $1100?
Ela esgotou em pouco tempo, acreditem!

Mas não fique triste, pois tem a nova versão da shopping bag em preto por $1135!

Não contente com esses vexames, Gvasalia criou outra peça para virar chacota. Em parceria com a Crocs lançou o sapato “Foam”, uma plataforma de 10cm e vários pins coloridos. Tem rosa millennial e amarelo banana:

Tenho um pressentimento que ele curte a filosofia dos brasileiros: “Falem bem ou falem mal, mas falem de mim”. Tanto que já admitiu que não explica suas ironias e entende o motivo do público ficar brabo com suas criações. Essas controvérsias vêm desde os tempos da Vetements, quando ele lançou uma camiseta da DHL com valores absurdos – €245 – que se esgotou em pouco tempo. Demna assumiu que jamais compraria algo da própria marca por causa dos preços superfaturados. Ou seja, chamou os consumidores de trouxa! #nasuacara

Você pagaria R$900 por uma camiseta dos Correios? 😂

Eu, que geralmente tenho uma grande tolerância ao que é arte na moda e peças conceituais abstratas no mundo da Alta-Costura, não consigo engolir o trabalho dele. Vejam bem, não estamos falando de uma grife como a Moschino e nem das criações loucas do Jeremy Scott, mas sim de uma assinatura da Balenciaga, famosa pela forma clássica de puxar alguns limites de uma forma não infantil ou jocosa como essa.

Tem até um  “marabu” ou “boá“, tipo aquelas pluminhas que faziam parte da decoração do nosso quarto lá no início do milênio. Só que o cachecol da Balenciaga custa R$1920 e é feito do mesmo material – penas de peru – do que aquelas de R$5 que encontramos nas lojas de artigos de festas.

Tudo bem quando tem um conceito legal por trás da peça que te faz pensar. Mas isso?! Isso só me faz pensar que os caras tão loucos pela geração “Tumblr do Instagram“. Só que, por motivos óbvios, esse público também não têm poder aquisitivo para torrar nessa atrocidade. Então, qual o objetivo?

Vocês conseguem imaginar alguma blogueira de respeito usando isso? Eu sinto vergonha alheia por antecipação de quem receber esse sapato de “mimo” em troca de divulgação. (Porque obviamente eles irão apelar muito para tentar desovar esse encalhamento!)

Não me venham com a desculpa da moda de “ugly shoes” pq isso não me desce! Nem que isso é para chamar atenção para o desfile. Isso é lamentável, triste e deprimente. A única desculpa plausível seria uma crítica ao consumo, só que nesse caso a piada seria o próprio consumidor.

P.S.: Nem entrei no mérito de falar sobre os maus tratos cometidos pela marca com as modelos! Isso é tão absurdo e revoltante que eu prefiro que vocês leiam em outro site.

The 80’s are back!

Depois de alguns anos com o minimalismo em voga, a moda resolveu atualizar e jogar com o movimento oposto, trazendo os anos 80 de volta! Para o pesadelo das instagrammers que seguem aquele estilo sereno de “feijão com arroz”, as cores e formas prometem chegar chegando nas próximas estações.

A tendência 80’s já aparece nas maiores capas de revista de moda, bem como nas passarelas dos mais renomados estilistas (tô louca pela bota Saint Laurent do inverno 2017!) e vêm ganhando força para desbancar o básico dos anos 90. Maquiagem nude? Esquece! As cores vibrantes aparecem nos lábios, bochechas e olhos… tudo junto e misturado. Os volumes vão das roupas até os cabelos!

Já quero ver como as ruas irão moldar e atenuar/encarar tudo isso para o cotidiano.
Será que rola esse comeback assim como foi o grunge 90’s?

Um salve para o BREGA!

Louboutin no NYFW

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-01

Para a New York Fashion Week dessa temporada de outono/inverno 2017, Christian Louboutin continuou sua colaboração com 6 designers americanos. Foram desfilados sapatos clássicos e outros modelos personalizados especialmente para a interpretação artística dos designers, que também seguiram a premissa máxima de que as mulheres pertencem ao topo, inspirando e sendo inspirados pelas mulheres poderosas – esse é o atual lema do Louboutin.

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-02

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-03

Essa é a 3ª colaboração do designer com a marca recém-chegada, Novis, que é fundamentada na brincadeira e experimentação das cores. Nessa temporada, Jordana Warmflash (designer da marca) se inspirou no design moderno das artes e móveis dinamarqueses e suecos. As cores vibrantes – azul royal, amarelo, vermelho, rosa e verde – ilustraram também os sapatos dessa coleção, onde aparecem enfeitados com pompons ♡, remetendo a delicadeza e fazendo alusão ao tricô do restante das peças. As unhas foram pintadas com flores expressionistas vintage, usando os esmaltes Christian Louboutin nas cores Khol, Rouge, Pluminette, Daffodile e Mula Lisa.

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-04

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-05

Um dia depois, foi a vez da coleção clean e moderna da Cushnie et Ochs. Juntamente com vestidos lápis super elegantes, slip dresses minimalistas, tom cítrico e um pouco de paetê, as sandálias Crystal Queen e Acide Lace do Louboutin são bem básicas e em cores neutras – preto e nude. Para combinar com o estilo sofisticado, as unhas nude tb foram pintadas com o esmalte da marca, na cor La Favorita com listrinhas de adesivo metálico. ♡

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-06

É a segunda vez que a marca Tome (financiada pelo CFDA Vogue Fashion Fund) trabalha em parceria com o Christian Louboutin, dessa vez trazendo plataformas ou slippers de veludo preto e rosa. A coleção invoca o espírito da Women’s March que aconteceu no mês passado em Washington, dando destaque para o busto feminino como símbolo de poder e libertação. Além disso, várias artistas foram homenageadas na passarela, incluindo as Guerrilla Girls (grupo de arte anônima e feminista), com blazers estruturados com peles fakes e um enfeite de banana.

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-07

Com muito xadrez, pérolas e punk, a coleção da Jenny Packham celebrou suas raízes britânicas com tudo o que tem de bom por lá. De um lado, peças altamente clássicas de seda e cetim representavam a alta sociedade, de outro, camisetas com frases irônicas tiravam sarro da aristocracia. Os Louboutins escolhidos para o desfile foram os modelos Follies Lace e Apostrophy Pump nas cores nude, vermelho e bordô.

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-08

Do Extremo Oriente até a América do Sul, Naeem Khan se inspirou na mulher itinerante que ama viajar. Especializado em roupas para red carpet, sua coleção trouxe bordados manuais, capas e vestidos deslumbrantes. A mulher artística que usa essa coleção não tem fronteiras, principalmente quando se trata de sapatos! Louboutin usou o modelo de bota over-the-knee Louise XI para bordá-las exageradamente, refletindo e combinando elementos do restante da coleção. Alguns peep toes Bambou também embarcaram nessa viagem pelas passarelas.

christian-louboutin-new-york-fashion-week-desfiles-nyfw-fall-winter-2017-tendencia-moda-blog-got-sin-09

Finalizando a fashion week com uma declaração do poder feminino, Bibhu Mohapatra canalizou a persoangem Vanda da peça Venus in Furs. O designer brincou com o volume e silhueta, trazendo mangas e quadris bufantes – meio anos 80. A sandália Choca e Cherry do Louboutin foram customizadas especialmente para o desfile, combinando com a paleta de cores mais sexy. Já o novo modelo S.I.T Rain, usou as cores creme e preto, fazendo contraste com os looks elegantes de festa.

Hip Hop, street style e a valorização da Moda – Marc Jacobs

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-68

Nem preciso assistir todos os desfiles para eleger o meu favorito dessa temporada do NYFW, pois o Marc Jacobs chegou lacrando com tudo. Um belo tapa na cara da nossa sociedade hipócrita, que tinha transformado a moda em bagunça, transferindo-a para segundo plano nos principais eventos das semanas de moda do mundo inteiro.

Com uma simplicidade poética, Marc Jacobs deixou a moda falar por si em um dos desfiles mais minimalistas que ele já produziu. Sem distrações – não tinha música, nem cenário e até os celulares foram proibidos naquele momento – foi claramente uma tentativa de resgate ao que realmente era importante ali: as roupas e acessórios.

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-67

Apesar de parecer óbvio o objetivo de um desfile, a maioria dos seus frequentadores está ali por outras conveniências que não são a moda. Virou um evento social oco, onde parece ser mais importante sentar na primeira fila ou dizer que foi naquele evento como uma espécie de troféu fashionista (mesmo não tendo absorvido nada dele). Todos querem ser influentes, mas acabam influenciando apenas mais daquela cultura vazia que vemos aos montes nas colunas sociais de qualquer cidadezinha (e agora no Instagram). Os panos pendurados nas modelos e todo o trabalho daquele estilista acabam relegados.

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-60

Então depois desse VRÁ na cara de muitos, começou o show de verdade. A nova coleção foi inspirada no Hip Hop e a importância dele para o desenvolvimento do street style. Marc Jacobs diz que assistiu ao documentário Hip-Hop Evolution na Netflix, que mostra a evolução desse gênero musical dos anos 70 aos 90 e como essa cultura riquíssima foi transferida para o nosso cotidiano naturalmente:

“Como nasci e cresci em Nova York, foi durante a minha época na High School of Art and Design que eu comecei a ver e sentir a influência do hip-hop nas outras músicas e também na arte e estilo. Essa coleção é a minha representação do estilo causal esportivo. É um reconhecimento e um gesto do meu respeito pelo polimento e consideração aplicados à moda de uma geração que será para sempre o fundamento do estilo de rua da cultura juvenil.”

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-64

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-29

Observando os detalhes, percebemos que tudo foi pensado para ser usado nas ruas mesmo. Não há nada ali que não possa fazer parte do nosso guarda-roupa. Talvez apenas os chapéus exagerados se reconfigurem um pouco, mas gostei que eles tenham aparecido dessa maneira bem evidente, pois é um sinal de que o estilista apostou forte nessa tendência e a gente pode se divertir bastante com peças mais enxutas (sou suspeita para falar, pois eu amo chapéus!). Amei as cores nude, marrom e dourado praticamente dominando a paleta do desfile. Os colares gigantes (bling-bling ♥), os casacos com pelúcia (no caso do desfile, acredito que sejam peles de verdade, infelizmente) e os microcompimentos tocam o meu coração.

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-51

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-14

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-02

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-07

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-12

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-09

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-47 marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-08

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-18

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-16

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-57

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-11

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-15

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-13

marc-jacobs-street-style-estilo-de-rua-cultura-hip-hop-desfile-de-moda-outono-inverno-2017-blog-got-sin-56

Por mais desfiles ricos em cultura e menos futilidade! ❤

O Girl Power da Dior com a Maria Grazia Chiuri

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-02

Pela primeira vez na história da Dior, depois de 69 anos, uma mulher assumiu o cargo de diretora criativa da maison. Maria Grazia Chiuri saiu da Valentino para trazer leveza e salvar a marca francesa do caos estético que Raf Simons deixou. O anúncio oficial veio ainda em julho, mas o desfile aconteceu apenas hoje, no dia 30 de setembro.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-rihanna

O mais irônico é que a Dior teve função histórica na criação do estilo lady like, trazendo um shape com a cintura de vespa bem marcada e saias godê para o ápice dos anos 50, o perpetuando até hoje, mas os desenhos das peças sempre foram conduzidos por estilistas homens. Analisando a coleção de estreia da Maria, podemos perceber que ela trouxe fluidez e feminilidade para a marca novamente, que estava em falta por conta do minimalismo mal elaborado do Raf Simons – já falei por aqui o quanto eu estava descontente depois que ele assumiu o cargo em 2012. Apesar dele ter trazido uma modernidade e tentado conversar com um público mais jovem, quem acertou de verdade foi a Chiuri.

A coleção de estreia foi marcada pelo girl power em todos os sentidos, mostrando que as mulheres conseguem alcançar tudo aquilo que desejam – inclusive ser a líder criativa de uma das mais conceituadas grifes do mundo! Percebe-se a tentativa de traduzir os desfiles conceituais e a elegância da mulher Dior para transformá-las em “meninas Dior“!

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-03

Esqueça aqueles shapes antigos e ultrapassados, essa coleção foi feita para agradar o pessoal da internet mesmo, bem ready-to-wear. Notamos a influência que o Instagram, Tumblr, Snapchat e blogueiras tiveram na moda, não apenas no sentido estético, mas também nos assuntos que são relevantes e que conseguem conversar com a moda.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-51

O New Look de Christian Dior desafiava a modernidade e a forma rigorosa de se vestir, devolvendo à mulher as curvas e o refinamento que a guerra havia apagado, uma moda totalmente nova naquela época. Maria Grazia Chiuri confronta a tradição da Maison Dior e reposiciona a mulher no centro, passando por cima das expectativas e questionando as verdades impostas. Traz uma reflexão sobre as formas de uma silhueta contemporânea, ágil, olímpica, elitista com uma elegância esportiva, mas acessível, pois o uniforme é um elemento ao mesmo tempo único e serial. Através dele, o corpo expressa sua individualidade, já que cada um moldará a roupa que veste e não mais o contrário.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-47

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-101

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-102

feminismo, assunto tão atual e necessário de ser abordado, também apareceu com força na coleção. Inclusive há algumas camisetas básicas que com certeza vão virar hit no Instagram – e serão copiadas ad infinitum.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-01

De maneira um pouco mais discreta, vemos a evolução da mulher na sociedade:

“Procuro estar sempre atenta ao mundo e criar uma moda compatível com as mulheres de hoje. Uma moda que acompanhe suas transformações, que fuja das categorias estereotipadas ‘masculino/feminino’, ‘jovem/menos jovem’, ‘razão/sentimento’, apresentando inclusive aspectos complementares. A esgrima é uma disciplina na qual o equilíbrio entre o pensamento e a ação é essencial, assim como a harmonia entre o espírito e o coração. O uniforme feminino da esgrima é idêntico ao masculino, exceto pelas proteções especiais. O corpo feminino adapta-se a esta roupa que, por sua vez, parece ter sido trabalhada de acordo com suas formas.”, explica Maria Grazia Chiuri

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-103

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-106

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-25

coração bordado sobre o peito, como nas primeiras roupas das esgrimistas, traduz melhor do que mil palavras a intensidade e a força das emoções vividas pelas mulheres de hoje.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-50

Os elementos desse uniforme, como as máscaras, os casacos e os cadarços, fazem parte das peças explosivas cujas linhas exaltam a clareza construtiva do projeto de Maria Grazia Chiuri, que incorpora a ruptura fundadora das origens – aquela realizada por Christian Dior – para atravessar livremente uma história extraordinária marcada por diversos talentos, apropriando-se (como na Postproduction de Nicolas Bourriaud) de cada peça útil para construir uma nova gramática, na qual o tempo sempre presente da moda transcorre sem nenhuma lógica.

 desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-29

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-45

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-16

Fascinada pelo aspecto íntimo e artesanal da Maison, ela experimenta vários materiais em montagens inéditas. Através de formas descontextualizadas e colocadas em movimento, inventa um diálogo entre os símbolos: o espartilho que não oprime e expressa com leveza e ironia o desejo de se observar e de se dar prazer; a liberdade de deixar visível uma peça íntima técnica e gráfica que segue as curvas do busto.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-09

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-13

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-73

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-33

Os elásticos estampados com o nome da marca fazem uma referência clara ao universo urbano. O que foi uma moda bem comum no começo dos anos 2000 (Top da Brasil Sul! Quem nunca? rs) e também já apareceu bastante nas coleções recentes da Moschino, que tem um público mais jovem.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-48

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-21
Prevejo a Rihanna usando esse vestido em breve!

Um prêt-à-porter aberto às influências do streetwear, com seus materiais técnicos e uma dimensão mágica, sonhadora, supersticiosa, quase vidente, tão adorada pelo fundador da Maison – que adorava isso e sempre lia cartas de tarot antes dos seus desfiles – e expressa por Maria Grazia em sua famosa frase: “Aprenda a seguir seus sonhos”. Suntuosos bordados com os signos do zodíaco cobrem os tecidos, transformando-se em verdadeiras telas. Inúmeras figuras do tarô, sabiamente aplicadas em diferentes locais, sugerem possíveis interpretações do futuro.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-90

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-22

Minhas peças favoritas foram os vestidos e saias bem fluidos, os blazers e as capris. By the way, essa última tendência já pode ser colocada em prática no verão, né? Fica bem em todo mundo, é confortável e ainda não é tão quente para o comecinho e final da estação.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-96
Esse rosa é o meu vestido favorito!

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-100

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-04

Os acessórios também têm cara de hit, principalmente os chokers e brincos. A minha bolsa favorita foi a preta, bem parecida com as da Moschino tb.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-18

O penteado é bem fácil de copiar: Os cabelos são presos em um coque bem apertado com o diferencial das tranças adornando a parte traseira da cabeça. Mais uma vez mostrando que a praticidade é fundamental para a mulher atual.

desfile-dior-maria-grazia-chiuri-feminismo-girl-power-mulher-moda-blog-got-sin-20

Não estou surpresa, pois era exatamente o que eu esperava dessa designer, visto o que ela costumava apresentar nas últimas coleções da Valentino. É claro que ela não tem aquela força conceitual e artística do Galliano, mas deu um refresh necessário que a marca e as mulheres consumidoras almejavam. Eu daria uma nota 4 de 5. Ela fez o que o Raf Simons não foi capaz de fazer, portanto estou muito feliz de poder acompanhar novamente os próximos desfiles da Dior – que eram os meus favoritos das temporadas até 2012.

O que acharam desse desfile?

Créditos das fotos: The Impression