Meu look: Sininho – vestido de Natal

Desde o começo do blog as pessoas me pedem para fazer um look inspirado na fada Sininho por causa do meu apelido, então eis aqui –  finalmente – o desejo sendo realizado com um pouco de pixie dust! hehe

Esse vestido é bem antigo, acho que comprei ele para o Natal de 2004 (sim, 14 anos atrás!) e o guardei com muito carinho até hoje pq ele marcou um momento especial na minha vida. Eu amo roupa com história boa!

A sandália é da minha loja, a Got Sin? Store, modelo Kim! Tô tão feliz de poder compartilhar meu amor por sapatos dessa forma com vocês. Esse modelo é bem moderno, com tiras de plástico cruzadas na parte de cima do pé e bico fino! Muito 2000’s, né? É a tendência do momento e promete ficar por mais um tempinho circulando nos pés das fashionistas. Sou suspeita para falar pq eu AMO esses modelos de plástico / vinil desde sempre. Ela também está bem baratinha pelo nível de qualidade que tem, ainda o valor pode ser parcelado em até 6x sem juros pelo PayPal!

Corre lá garantir a sua também!

Ah, já que o look também tinha pitadas de inspiração nos anos 00’s, nada melhor do que aproveitar e incluir uma homenagem para a rainha da década: Britney Spears! Por isso adicionei a choker dourada, bem I’m a Slave 4u.   

O que acharam da combinação?

COMPRE A SANDÁLIA KIM NA GOT SIN? STORE

Anúncios

20 anos de carreira da Britney Spears

20 anos de carreira do ícone!

Passei 2/3 da minha vida idolatrando a Britney Spears e lembro até hoje de quando assisti o vídeo de Baby One More Time pela primeira vez com 10 anos de idade. Ela era um mix de várias coisas que eu amava na época: a Barbie, a Buffy (o uniforme vermelho e amarelo que aparece no clipe era igual ao usado em Sunnydale High) e a minha Spice Girl favorita, Mel C, porque ela dava chutes no ar. Sem contar que era uma exímia dançarina. Ou seja, para mim a fórmula perfeita.

Ouvir Britney Spears era o meu ato de rebeldia.

Como eu cresci em uma casa onde Metal era música de ninar, ouvir Britney Spears era o meu ato de rebeldia. Sempre gostei das mulheres fortes representando os meus sonhos, seja na música, livros, televisão ou filmes. Não eram muitas em carreira solo musical antes dela. Tínhamos a Madonna, Janet Jackson, Whitney, Mariah, Aaliyah, mas a mudança no pop só veio depois da Britney, que abriu o caminho para as adolescentes, trazendo à tona os nossos dilemas sem julgamentos. Até hoje os artistas novos continuam se inspirando nela.

A Britney, por mais que seja lembrada como um “produto fabricado” – argumento pífio de quem não entende nada do que passa no coração de uma adolescente – me representava completamente. Cresci com ela e a sua música me acompanhou durante todas as etapas da vida, do topo até a queda e da queda até o renascimento, como uma fênix. Ainda me vejo em muitos aspectos dela e sua música continua falando por mim. Ela é uma pessoa humilde, pé no chão, real, nunca fala mal de ninguém, sempre trata bem as pessoas ao redor e tenta superar seus próprios defeitos diariamente. Apesar de ter sido sempre criticada, nunca perdeu a doçura de sua alma e continua emanando seu brilho pelas multidões mundo afora (e são muitas, vale constar). Tenho muito orgulho de ser fã de uma pessoa e artista assim. Sou B-Army raiz!

Eu já devo ter escutado BOMT no mínimo 1 milhão de vezes durante estas 2 décadas e cada tã-nã-nãn do começo me arrepia como se fosse a primeira vez que estivesse escutando. Eu fazia as minhas amigas e familiares assistirem meus shows performáticos de dança e playback na sala de casa ou onde quer que tocasse Britney Spears. (Desculpa, migas! 😅) Vocês não devem ter ideia de quantas vezes dancei essa música, I’m a Slave 4u, Overprotected e Oops I Did It Again na vida! Spoiler: mais do que um humano normal! 🙈