A polêmica do shorts na escola

i dress for me blog got sin girl power shorts roupa curta

Algumas alunas do Colégio Anchieta de Porto Alegre resolveram protestar contra a proibição de shorts na escola. O motivo principal dessa revolta não foi pelo short em si, mas pela justificativa utilizada pela direção, que baniu a vestimenta para que os meninos não se distraiam.

NÃO É SÓ PELO SHORTINHO!

É sempre esse mesmo argumento. Ouvi isso em 2003, quando era impedida de frequentar a aula por estar usando camiseta baby look no colégio onde eu cursava o Ensino Médio. Em 2009 atacaram animalescamente a Geisy Arruda na faculdade. Essa atitude se repete há anos com diversas outras meninas e instituições de ensino.

“Quando você interrompe a aula de uma menina para forçá-la a mudar de roupa ou mandá-la pra casa por que o short dela é “muito curto”, você está dizendo que garantir que os meninos tenham um ambiente de aprendizagem livre de “distrações” é mais importante do que garantir a educação dela. Ao invés de humilhar meninas pelos seus corpos, ensinem os meninos que elas não são objetos sexuais.”

O parágrafo anterior foi retirado do abaixo-assinado que as meninas do Colégio Anchieta escreveram e não poderia expressar melhor a real questão de toda essa história de “roupa curta”. Alegar que as mulheres se vestem com intenção de chamar atenção dos homens é incentivar a cultura do estupro.

Os homens precisam ser educados para que entendam que as mulheres não usam shorts, blusas, saias, ou o que seja, com a intenção de CHAMAR ATENÇÃO DELES! Nós não existimos apenas para os satisfazer sexualmente. Não somos objetos. Não estamos disputando com outras mulheres a sua atenção. Só queremos liberdade para nos vestirmos sem que isso seja confundido com algo sexual. Não é.

“Ao invés de humilhar meninas por usar shorts em climas quentes, ensine estudantes e professores homens a não sexualizar partes normais do corpo feminino. Nós somos adolescentes de 13-17 anos de idade. Se você está sexualizando o nosso corpo, você é o problema.”

Graças a esse tipo de educação que aprendemos nas escolas, as mulheres acabam se tornando vítimas no cotidiano, as culpadas por sofrerem assédio. Torna-se certo e normal serem cantadas na rua pq não foi ensinado para os homens que eles devem respeitá-las. 

“Regras de vestuário reforçam a ideia de que meninas tem que “se cobrir” porque garotos serão garotos; reforçam a ideia de que assediar é da natureza do homem e que é responsabilidade das mulheres evitar esse tipo de humilhação; reforçam a ideia de que as roupas de uma mulher definem seu respeito próprio e seu valor.”

Me entristece saber que os conservadores não estão interessados em ler e entender o lado das mulheres. Já chegam com pedras na mão e acusam as meninas que lutam por essa liberdade e um mundo mais seguro, com argumentos do tipo: “Elas querem aparecer!”, “São mimadas e patricinhas!”, “Não sabem respeitar as regras.”, “Tem lugar certo para usar cada tipo de roupa”, “Agora vão querer usar biquíni para trabalhar!”, “É rebeldia de jovens.”, “Uma coisa tão sem importância no meio de uma crise.”, “Isso é falta de laço!” e etc.

Percebam que a maioria acha certo agredir e errado usar uma peça de roupa.

Compreendo que há algumas pessoas religiosas que possuem medo de contrariar os seus padres e pastores, mas pessoas que pensam assim por bel-prazer não faz nem sentido. A questão não é ser do contra para ser legal, a questão é que o seu machismo me afeta, pois sou mulher. Também afeta a sua mãe, sua irmã e sua avó. Inclusive afeta a ti mesmo, machista inconformado. Não é seguro para as mulheres andarem na rua sem sofrerem assédio. Não importa o quão bonita somos, o quão jovem ou velha, o quão bem vestida ou não, o quão gorda ou magra e muito menos o comprimento da nossa roupa, pois a única coisa que falta é o respeito por parte dos homens, que nunca foram ensinados na escola e muito menos em casa.

“Ao invés de ensinar que a minha decência e o meu valor dependem do comprimento do meu short ou do tamanho do meu decote, ensine aos homens que eu sou a única responsável pela definição da minha decência e do meu valor. Ensine aos homens o respeito, desconstrua o pensamento de que a roupa de uma mulher decreta se ela é ou não merecedora de respeito.”

sininhu sylvia santini shorts curto machismo girl power meu look blog got sin

Eu, juntamente com as alunas do Colégio Anchieta, recuso a obedecer as regras que reforçam e perpetuam o machismo, a cultura do estupro e slut shaming.

Ajude assinando o abaixo-assinado delas também!

Anúncios