Bela, recatada e do lar!

sininhu-sylvia-santini-bela-recatada-e-do-lar-lingerie-meu-look-blog-got-sin

“Bela, recatada e do lar.” – Revista Veja, abril de 2016

Sim, você leu certo, essa manchete foi escrita esse ano e não em 1964 ou 1550. Um pensamento tão retrógrado e misógino ainda faz parte da realidade de muitas pessoas conservadoras que acreditam que o lugar da mulher é à sombra de um homem. O padrão incutido é o de abrir mão do poder pessoal, de suas próprias escolhas, de sua carreira e de sua personalidade. Para ser digna é necessário usar vestidos até os joelhos e de cores claras, saber se portar como uma dama, cuidando do lar e dos filhos, hora ou outra enfeitando os braços do marido como um troféu.

Esse tipo de abordagem pérfida é um desserviço para às brasileiras pelo simples motivo de fortalecer ainda mais o pensamento machista de muitos homens. Já é difícil para as mulheres saírem na rua sem receber cantadas, dentre outras atitudes violentas imbuídas no cotidiano, e isso complica ainda mais nossa trajetória para alcançarmos o respeito que merecemos.

Não precisamos desse estereótipo de dona de casa dos anos 50 para criar ainda mais amarras e limitações na nossa vida. Mulher não é um objeto! Perpetuar esse tipo de padrão é doentio e provoca ainda mais perseguições e policiamento infundados para o nosso dia-a-dia. Somos livres e gostaríamos que esse direito fosse respeitado e assegurado, não importa qual a roupa, beleza ou atitude possuímos.

Não devemos nunca nos compararmos umas com as outras, pois somos únicas e especiais, cada qual de sua maneira. Não temos que tentar ser a Grace Kelly que, apesar de extraordinária (uma das minhas atrizes favoritas, inclusive), foi única, assim como eu e você também somos. Do mesmo modo não devemos criticar a Marcela Temer, pois com certeza ela também é extraordinária na maneira dela. Até mesmo a jornalista que escreveu aquela matéria, apesar dessa triste veiculação. No final, somos todas vítimas de uma sociedade patriarcal repressiva e estamos buscando a felicidade através do que acreditamos e da maneira que conseguimos.

De maneira alguma quero julgar as mulheres que optam por levar a vida de maneira tradicional, sou apenas contra o conceito de que só elas são dignas de valor. Aliás, minha opinião sobre “se valorizar” é bem diferente do que a insuflada pela sociedade. Acredito que devemos trabalhar nossa autoestima independente da opinião alheia, nos amarmos é nos valorizarmos.

Somos livres para escolhermos ser donas de casa, irmos ao bar com os amigos, focarmos na carreira, nossas roupas e o seu comprimento, se queremos ter filhos ou não, nos casarmos, viajarmos sozinhas, nossas atitudes, o que vamos comer, com quem e quando vamos transar, se vamos ou não para a academia e tudo mais que quisermos. Ninguém tem poder sobre o nosso livre-arbítrio. Os opressores podem chorar, pois 1750 não voltará jamais e a mulher tomou as rédeas da própria vida. Adeus submissão.

Leia mais sobre o assunto:

•  E se falássemos de homens como a mídia fala de nós? [link]
•  Bela, Recatada e Do Lar [link]
•  Livre, respeitada e do bar [link]
•  Quem disse que toda mulher tem que ser linda? [link]
•  Dominar os homens? O impacto de uma mentira sobre o feminismo. [link]
•  Bela, recatada e do lar: matéria da Veja é tão 1792 [link]
•  Redes sociais são tomadas por fotos de mulheres #belasrecatadasedolar [link]

Participe também usando o Twibbon ou a hashtag #belarecatadaedolar

 

2 comentários sobre “Bela, recatada e do lar!

  1. Gih disse:

    Isso ai Sin!!
    Ótimo post, a veja pirou nessa reportagem, apesar de você ainda ajudar dizendo que a jornalista certamente tem seu outro lado bom ai, acho que faltou muito senso, ainda mais vindo de uma mulher. Ela está trabalhando e exercendo seu papel na sociedade e vem dizer que o tipo ideal deve ser outro? Um tanto incoerente.
    Kisses
    http://www.colecionadorademoda.com

    Curtido por 1 pessoa

    • sininhu disse:

      Gih, uma vez eu li uns relatos de alguns jornalistas que saíram da Veja em que eles contavam como eram obrigados a escrever sobre determinados assuntos para não serem demitidos, ou então escreviam sobre um assunto que lhes interessava e depois que o texto passava pela revisão o conteúdo ficava mais polêmico, muitas vezes voltavam modificados quase que totalmente e em outras levavam apenas a assinatura dos mesmos.
      De fato há mulheres bem retrógradas na questão de machismo, essa jornalista pode ser uma delas, mas tb fico me questionando se não usaram o nome dela justamente por ser mulher, tipo para ter um alívio no argumento: “Quem disse isso foi uma mulher, não é machismo!”. Sabe? Acho que essa revista suja é capaz de tudo. Se não for o caso, tenho é muita pena da dessa mulher, pq é muito hipócrita!
      Em todos os casos, o que ela fez foi um desserviço para a sociedade, sem dúvida. Aquela matéria é deplorável! :/
      Beijão

      Curtir

O que achou do post? Comenta aí:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s